domingo, 16 de fevereiro de 2014

Sobre o arrependimento





O arrependimento seria uma saída possível do ressentimento: aquele que se responsabiliza por uma escolha que redundou em fracasso ou sofrimento pode arrepender-se, sem precisar culpar ou acusar alguém pelo prejuízo. Mas o arrependimento também pode se transformar em lamento sem fim, em meio de gozo equivalente ao ressentimento. Também pode ser um modo de não aceitar as com sequencias de uma escolha , os erros e descaminhos percorridos ao longo de uma vida que nunca é perfeita. O arrependimento, em suas formas extremas , também sinaliza um recusa narcisista da determinação inconsciente. Só quem se julga inteiramente senhor de todos os seus atos não se perdoa por uma má escolha.
Neste sentido, vale tomar  o ensaio de Michael Montaigne sobre o arrependimento, em que esse pensador  que levou os últimos anos da sua vida a examinar-se o mais honestamente possível afirma que não se arrepende de nada porque não se pretende infalível. 

                              Expliquemos aqui o que repito constantemente: só de raro em raro me arrependo,
                              e minha consciência contenta-se com seu próprio testemunho, não o de uma cons-
                              ciência de anjo ou animal, mas uma consciência humana (...) não se trata aqui de 
                              simples palavrório e sim de um ato de humildade completa e absoluta.

(Maria Rita Kehl, Ressentimento. Coleção Clínica Psicanalítica. Ed Casa do Psicologo, São. São Paulo, 2004. p. 23.)

Um comentário:

  1. Passando por aqui para aprender. Um abraço. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir